Ovelhas Incandescentes

Ovelhas Incandescentes

Páginas

terça-feira, 27 de outubro de 2009

Às vezes o amor acaba... mas não por você.

Eu já pensei que fosse amar alguém para sempre;
Pensei que seria amiga para sempre;
Pensei que manteríamos contato para sempre;
Pensei que algumas pessoas pensariam em mim para sempre;
Pensei que tivesse encontrado o homem da minha vida (para sempre);
Pensei que alguns amigos fossem para sempre.

Pensei em um monte de coisas para sempre!
Aí o "para sempre" acabou e eu dancei.
Que merda!

Não estou mais com aquele cara.
Nem falo mais com aquela menina.
Nem falo mais com eles, nem eles pensam mais em mim.
E os amigos, agora, são outros.

Fiquei triste? Bastante.
Chorei? Um pouco. Ainda mais eu, que sou chorona.

Mas estou inteira!
Não tinha um pote de ouro no final do arco-íris, mas consegui pagar as últimas contas.

"Ah, mas você é muito grossa..."

NEM VEM! Cada um tem um jeito de reagir às coisas, entendo.
Mas se você quer que eu entenda o seu jeito nhem nhem nhem de resolver seus problemas, entenda o meu de fazer o mínimo de nhem nhem nhem possível.
Não dá para continuar um namoro que você está vendo que já acabou, só ainda não terminou.

"Mas não dá para tentar mais uma vez?"
Dá, mas se fosse tão "tentável" assim, não teria chegado no ponto que chegou.
Vocês teriam visto antes e teriam consertado antes.

"Ah, mas eu já tô acostumada com ele(a)..."
Ih, pronto, olha a merda.
"Estou acostumada" é o começo do fim.
Você quer continuar com a pessoa por que gosta dela ou por que está acostumada?
Porque se você gosta, lamento informar, tem que ver se ela ainda gosta de você.
Se você só está acostumada, acorda para cuspir tudo bem, é um direito que você tem, mas depois não vá reclamar que fulano(a) não faz isso ou faz aquilo. Foi você que escolheu continuar assim.

Voltando ao caso do "tem que ver se a pessoa ainda gosta", a verdade é essa.
Às vezes o amor acaba. E não, necessariamente, precisa ter um motivo.
Não precisa ter alguma coisa que alguém fez, não precisa ter conhecido um outro alguém, não precisa estar gostando de outro(a), não precisa nada. Acontece. O amor também acaba.
E aí depende de você, morrer para o resto da vida ou viver até quando der.
É triste? É, você vai chorar, e muito!

Esse negócio de "Big girls don't cry" não existe. "Big girls cry" muito e ainda continuam sendo "Big girls".
E você vai chorar muito. Até mesmo se tiver certeza que não gosta mais, se tiver certeza que quer terminar, se tiver certeza que não quer mais, que não dá mais e que chega!
Ainda assim, vai doer e você vai chorar.
Mas, chega! Não precisa tornar pior o que já é difícil.
Faça o básico, o óbvio e o simples:

VAI CUIDAR DA SUA VIDA!
VAI CUIDAR DE VOCÊ!

Se foi você quem terminou, você sabe que foi melhor assim.
Se terminaram com você, você sabe que da mesma forma que ninguém te obriga a gostar de ninguém, você não pode obrigar ninguém a gostar de você.
Não quero dar uma de Álvares de Azevedo, mas o melhor do sofrimento é passar por ele e sair inteiro do outro lado.
Às vezes o amor acaba, mesmo. As pessoas mudam, os interesses mudam, você também muda.

Muitas vezes é a maturidade batendo na porta, muitas vezes é a falta de personalidade se mostrando.
É difícil explicar, mas nem todos conseguem mudar, mas ser a mesma pessoa.
A velha história de trocar suas folhas, mas manter suas raízes.
Nem todos conseguem, mas você pode e deve conseguir.

Então, vire a página e vai cuidar da sua vida.
Rasgue a página e jogue na fogueira.
Ficar insistindo no que não deu ou no que acabou é uma falta de respeito com você mesmo(a).
Pare de se matar e vai ser feliz. É muito mais legal do que ficar sofrendo por algo que não faz mais parte da sua vida.

"Ah, falar é fácil..."
É mais fácil que fazer, eu sei. Mas depois que você fizer, vai ver como é muito mais legal e vai ver como eu tinha razão!
Incandesçam!

5 comentários:

  1. é...
    A inércia em relacionamentos cria as vezes monstros,tipo o de Marshmallow dos Ghostbusters,qdo vc vê está submerso numa relação de conforto,bem parecida com a da minha abuela...
    É duro admitirselo mas a rotina na maioria das vezes nos deixa cara a cara com o desabamento dos "pra sempres" e "pela vida inteira",saber se esquivar é uma virtude.O que sempre será definitivo são as lágrimas.De alegria,de cortar cebola ou de tristeza.Elas sempre estarão presentes.
    Salu2
    Victor www.chapazapata.wordpress.com

    ResponderExcluir
  2. Nice post!

    Se todos tivermos coragem de sermos verdadeiros em um relacionamento haveria menos lágrimas e por que não, mais respeito e amizade?

    Medo é uma merda, nos paraliza e nos ilude nos fazendo acreditar que o status quo é a melhor coisa, a idéia da (falsa) segurança.

    Bom, no mas, posta mais ai que a gente agradece :)

    ResponderExcluir
  3. É uma verdade, uma certeza, um muro, um passo e um processo.É isso e muito mais, misturado e com um resultado medonhamente grande.
    Fim.Inaceitável na sua essência, temível pelo mistério, triste pela perda.É um processo constante, doloroso e que se aplica a todas as coisas.
    Nós andamos.Nós morremos.As coisas morrem.Ciclico, é.
    O amor não é pra sempre?..dicutível, o carnal com certeza não é para sempre.O amor como paixão também não.Amor incondicional como laços de irmão e pais é finito?
    Enfim.Você está certa na sua crítica, foi um tapa na cara de muitos leitores, tenho certeza.
    Um tapa necessário.
    Acordar para cuspir é o lema.

    ResponderExcluir
  4. Não só eu gostei do post como tb dos comentários aqui. O tal do José Irineu falou e disse. Nenhuma relação sobrevive senão for verdadeira. "Prá existir história tem que existir verdade"
    Eu sou uma big girl que chora muito. Chorar é despejar um pouquinho da dor em gotinhas de água.
    Ajuda a lavar os olhos e conseguimos enxergar a realidade: A vida continua uma delícia!

    ResponderExcluir
  5. Eu precisava ter lido esse seu texto hoje, precisava disso essa semana...Não pra mim...Mas pelo outro lado...Muito mais pessoas precisavam ler esse texto...O pior é "estou acostumado(a)", essa rotina horrorosa que vc acha que gosta da pessoa ainda, mas já é só a convivência...Menos comodismo, mais "seja feliz" ...A todos.

    ResponderExcluir