Ovelhas Incandescentes

Ovelhas Incandescentes

Páginas

terça-feira, 11 de agosto de 2015

Batom Vermelho, Coisa De Puta! (Conversa #DazAmiga)

Já te falaram isso?
Que batom vermelho (esmalte também) é coisa de puta? 

A mim, sim.
Eu não pedi opinião, mas a pessoa gostava de dar suas opiniões e, na época, eu achava importante considerar essas opiniões.
Não só de dar suas opiniões (que não pedi), gostava de falar o que achava que não ficava bem em mim, o que não gostava, o que não queria que eu falasse, o que não queria que eu usasse, o que não queria que eu fizesse.

Opiniões que eu não pedi e que, entre outras "opiniões" que também tinha, definem um comportamento controlador, mas é claro que na hora você não percebe. 
Muitas coisas você só percebe depois de bastante tempo, e essas são algumas das coisas que você só percebe depois.
Na hora você acha que faz parte, que tem que ceder, que está errada, que deve pedir desculpas... meus ovos!

Eu não vou entrar nos outros sinais do comportamento controlador porque o tema aqui é o batom vermelho, mas quando você para e pensa... muitas coisas que a pessoa (pessoas, no plural, cada uma com seu jeito, mas igualmente controladoras a seu modo) fazia demonstram que ela queria mudar o jeito "seu" para o jeito "dela".

Por essas e outras sempre me vem à cabeça a frase: 

"Às vezes, quando você perde, você ganha".

No caso do batom vermelho, eu sempre gostei muito de vermelho e consequentemente de batom vermelho. 
Mas da pessoa que eu considerava os "achismos", sempre ouvi que não ficava bom em mim, que era coisa de puta e que até aquele amigo (aquele que a pessoa vivia criticando porque sempre fazia alguma coisa errada e que só me viu uma vez durante uns 30 segundos no máximo) também falou que eu não ficava bem de batom vermelho.

Ele falou, é? Será? 
Se falou ou não, foda-se. Não pedi opinião de quem me viu por no máximo 30 segundos, mas é claro que a pessoa tem o direito de ter a opinião dela, embora eu também ache que uma opinião pessoal, quando não foi pedida, deve ser guardada para si

Mas depois de tantas coisas que você vai lembrando e tantas fichas que vão caindo, você se pergunta:

"Será que falou, mesmo, ou será que a pessoa não jogou essa para pressionar um pouco mais e ver se você para de usar o que ela não quer que você use?"

Antes eu acharia isso um absurdo só de pensar, mas depois de tantas coisas que você descobre, mesmo com todas as qualidades que a pessoa já demonstrou e com toda a ajuda que te deu... eu acho mesmo que não é impossível para quem não tem personalidade ou opinião suficiente. 

Assim como eu passei por esse "problema de batom" (passei também por outras situações controladoras, com pessoas diferentes também), qualquer mulher pode passar por isso.
É difícil sair de uma coisa assim porque você não vê a realidade, você acha que é normal e, pior, você acha que a errada é você e acaba mudando quem você é por causa de outra pessoa.

É difícil reconhecer e saber diferenciar o certo do errado em uma situação dessas, mas eu aprendi uma ou duas coisas, que espero usar na prática para o resto da minha vida.

E se alguém te falar que vermelho, esmalte, batom ou seja lá o que for é coisa de puta... seja puta e com orgulho. 
Porque antes ser uma puta digna, com personalidade e opiniões próprias, do que ser uma pessoa vendida, influenciável e deslumbrada com uma imagem que não tem.

Se alguém te disser que algo que você gosta não fica bem em você, principalmente quando você não pediu opinião, se afaste e mantenha distância, porque o que não fica bem em você é gente babaca.

Abençoe... e deixe ir, e deixe passar!

Incandesça sempre... queiram os outros ou não.
Incandesça por você, sempre!

Um comentário:

  1. Uauuuuuu!!
    Excelente texto... Falou tudo!!
    Arrasou!
    Beijos ♥
    http://www.cantinhodanessa.com.br/

    ResponderExcluir