Ovelhas Incandescentes

Ovelhas Incandescentes

Páginas

quarta-feira, 15 de janeiro de 2014

Eu juro que pensei...

Eu juro que eu pensei... juro.
Juro que pensei que passaria batido pelo 15 de janeiro, mas não. Não passei.

Ele veio me cutucar. Como se me falasse "Não faz um ano, não, querida, foi ontem mesmo".

Foi ontem, mesmo, 15 de janeiro de 2013, que meu pai não foi trabalhar ("Eu não vou trabalhar hoje."), minha irmã saiu às pressas no meio do trabalho dela e veio encontrar com a gente, minha mãe, que sempre tem uma explicação para tudo, não tinha nada para dizer.
Quanto a mim? Fui recolhendo meus pedaços que caiam pelo caminho.

Foi ontem mesmo, eu me lembro, que liguei pela sei lá qual vez para saber como ela estava. E a informação era a mesma... "O quadro dela não teve mudanças".
E então eu falei: - "Eu vou me trocar e estou indo aí".
O telefone ainda estava na minha mão quando tocou e eu reconheci o número. Eu meio que já esperava. No fundo estávamos só esperando, mesmo. Duas frases eu lembro com perfeição.
- "A notícia que eu tenho para te dar não é boa... você vai querer vê-la?"
- "Sim, eu só vou me trocar e estamos indo agora mesmo, pela manhã".
A gente tinha que enfiar nas nossas cabeças que cenas como essas não se repetiriam mais.
Fácil, não foi, garanto. Mas eu precisava. Eu tinha que ver. O meu cérebro tinha que raciocinar. Eu tinha que entender.

"Minha gata morreu. A Lilith morreu, ela não vai mais voltar".

Mas eu não tenho dúvidas... foram os melhores 10 anos da minha vida!

E guarde as palavras quem for me falar coisas como "era só um gato" ou "com tanta gente para ajudar".
Você não é melhor que um gato. E digo mais:

Quem pensa esse tipo de coisa é o tipo de gente que não vale nada e que só fala, mas fazer, que é bom, nada. É só mais um imbecil no mundo.


quinta-feira, 2 de janeiro de 2014

2014... and Here We Go Again!


2013 começou difícil.

Minha Nega se foi... eu estava sem trabalho... sem vontades... sem expectativas.
Se bem que expectativas a gente sempre tem, vontades também a gente sempre tem.
O que falta é a "força de". E essa... assumo que essa eu nunca tive.
Vontade eu sempre tive, mas a "força de" sempre me faltou.
Eu sempre fui um tanto quanto preguiçosa.

Mas que se foda... vamos em frente.

Se alguém precisar colocar as sementes de uva na carteira, pular sete ondas ou usar branco, que façam.
Se alguém precisar de alguma mandinga de algum tipo, que seja.

Felizmente, 2013 terminou muito bem para mim. Agora vamos expandir essas coisas boas.
Vamos em frente que o tempo não espera e a vida não para nem espera você se levantar.
Vamos em frente... arrastados, ajoelhados, rolando... mas vamos!
Incandesçam!