Ovelhas Incandescentes

Ovelhas Incandescentes

Páginas

sábado, 27 de abril de 2013

Coisas de Neil Gaiman... e Stephen King

Eu só queria dizer alguma coisa e não sabia o quê.
Mas eu também sabia de uma coisa que eu queria dizer, é que estou lendo Deuses Americanos (American Gods), do Neil Gaiman.
Eu só queria falar que estou bem no começo do livro, cerca de 70 páginas, mas já me deparei com um trecho muito GAIMIANO e também KINGIANO (é, achei melhor só com G do que com GU).

" - Sua mulher morreu com o pau do meu marido na boca, Shadow." 
(p. 47)

Coisas desse tipo acontecem nos livros deles. Pode até parecer um pouco tosco logo que você lê, mas é um tanto quanto engraçado e inesperado... ou alguém realmente imagina ler uma coisa dessas? Pode até pensar que estavam tendo um caso (que foi o que eu pensei na hora que li a frase anterior), mas não exatamente este ato tão específico e detalhado.
Coisas de Neil Gaiman e Stephen King. Gosto muito! =]

Incandesçam!
=]

sexta-feira, 26 de abril de 2013

O que passou agora...

Não, eu não estou brigando com ninguém nem estou com raiva de ninguém. Não neste momento.
Mas fico realmente feliz de ter me livrado de algumas pessoas.
Alguns vão, outros vêm.
Perdi algumas pessoas e lamento.
Perdi outras e isso foi um ganho, fico feliz de ter me afastado delas.
Ganhei muitas outras, muitas pela internet, e tem sido uma fase muito divertida da minha vida.
Também ganhei um moletom pink, lindo! Isso foi hoje. =]
Obrigada, mamãe!

Encerrei velhos ciclos e abri novos. Se darão certo ou não, ainda é cedo para saber.
Espero que sim.

Vejo gatos com mais de dez anos e fico feliz por eles, mas lá no fundo, bem lá no fundão, fico triste.
Não pelos gatos, claro.
Não quero que nenhum gato morra antes ou depois.
Não quero que nenhum gato morra (sei que não é possível, mas acho que deu para entender o que eu quis dizer).
Eu só queria que minha nega tivesse vivido mais!
Não é ingratidão minha. Agradeço por cada dia que passei com ela... mas ainda acho que dez anos é muito pouco tempo.
Eu sei que tem animais que vivem muito menos.
Três anos ou menos com os hamsters. Dois anos ou menos com os peixinhos.
Mas não sei, só sei que sinto assim.
Nós merecíamos mais tempo juntas... juntos! Todos nós.

Ainda tenho que trabalhar a disciplina.
Acordar mais cedo, estudar todos os dias, parar de ficar enrolando na cama, parar de ficar enrolando para arrumar a cama, para trocar de roupa, pentear o cabelo, escovar os dentes.
Parar de enrolar para tomar banho, aquele banho antes de dormir. Aquele que quando você pensa "vou tomar banho"... aparece mais uma coisa importantíssima para fazer na internet (twitter, facebook, blog, e-mail).
Essas coisas que a gente sempre faz e de tanto fazer nem lembra que faz.

Ler um pouquinho todos os dias, e não passar dias inteiros lendo e depois dias inteiros sem ler.
Tem tantos livros que eu quero ler. Talvez se eu lesse dois livros por dia, conseguiria ler todos... mas alguém tem que trabalhar, pagar as contas... e comprar mais livros. =]

Vamos decretar oficialmente? Quem sabe isso ajuda.
Amanhã começo a ter disciplina!

Se dará certo ou não, ainda é cedo para saber.
Mas vou tentar agora mesmo.
Vou tomar banho!
=]
Incandesçam!

quinta-feira, 25 de abril de 2013

Presentes \o/

Desta vez, ganhos em sorteios. =]

Adesivo de parede que ganhei no sorteio do blog 'Artigos Femininos'.
Eu escolhi o de ovelhinhas... e são pinks! \o/
O Gwidion e a Ovelha aí já eram meus. =]
Porta-joia fofo que ganhei no sorteio do blog da loja 'Visual - Moda e Acessórios'.
Laço pink! =]
Estampa de rosa vermelha! =]
E tem espelho! =]
E ainda tem mais uns 'bons presente' chegando! \o/
Mas se você não ganhou nada... se dê presentes! =]
Incandesçam!
=]

quarta-feira, 24 de abril de 2013

Parei... mudei de ideia... continuei andando!

Parei de seguir algumas pessoas no twitter. Parei de falar com algumas pessoas. Parei de gostar de algumas pessoas.

Algumas eu mando mesmo tomar no cu e que se fodam realmente não gosto mais e não me interessa o que tenham a dizer.
"Ah, mas você adorava..."
Sim, adorava, mas tem coisas que a gente aprende, coisas que a gente desaprende, tem vezes que a gente erra, vezes que a gente acerta e também tem vezes que a gente se decepciona, isso é normal.
Você vive diariamente, pode ser que hoje você goste de uma coisa e amanhã já não gosta mais.
Isso é normal e a vida é assim, você sempre tem a escolha de pensar de novo, mudar de ideia e mudar o caminho.
Mudar de ideia é uma opção que tenho sempre à mão porque a vida é aprendizados, atitudes e decisões diárias, por isso posso precisar de uma mudança a qualquer momento.

Algumas eu continuo gostando, só não tenho necessidade de seguir, ligar, conversar ou saber como está.

Algumas eu também continuo gostando, mas discordo de muitas coisas que falam.
De forma que respeito as opiniões dos outros, não vou ficar discutindo o que é e não é. Apenas parei de seguir, ligar, conversar ou saber como está. Não tenho que ver ou ouvir coisas que discordo, embora respeite a opinião.

E porque respeito, não discuto, apenas paro de seguir, ligar, conversar ou saber como está.
E cada um pode falar e ser o que quiser.
Incandesçam!
=]

terça-feira, 23 de abril de 2013

Presentinhos de mim para mim... e outras considerações =]

Dizem que chocolate é como sexo. Não sei, acho que são coisas diferentes. Muito diferentes.
Dizem que um substitui o outro... duvido!
Chocolate é muito melhor! =]
E nem venham com a velha respostinha "ela não transa", porque isso aí é desculpa de gente bocó querendo pagar de comedor.
De forma que tenho opinião e não tenho interesse em ser rotulada de gostosa-pegadora-sexy-machine, não tenho nenhum problema em falar que se eu tiver que escolher, prefiro chocolate.
E sexo, às vezes, me cansa. =]

E já que estou falando de sexo, cabe uma observação aqui:
Sexo não é errado e camisinha não é pecado, então, façam a coisa direito.

Se for para fazer escondido e ter peso na consciência depois porque você não quer transar antes do casamento ou porque a igreja não permite, no mínimo, use camisinha.
Se for para fazer uma coisa que você já considera errado ou os outros falam que é errado e ainda assim você está fazendo, faça a coisa direito e tome os cuidados necessários para não ter consequências mais sérias depois, só seu peso na consciência por ter feito algo que 'você achou que não devia'... e ainda assim fez.

Incandesçam!

segunda-feira, 22 de abril de 2013

Considerações...


Algumas pessoas só consideram um casamento se ele foi feito de forma legal no cartório.
Algumas pessoas só consideram a benção de Deus se o casamento foi feito na igreja.

Eu entendo, mas eu considero um casamento a partir do momento que o casal mora junto, porque nada define e decide mais um casamento do que a convivência diária.
Conviver diariamente, amar diariamente, superar diariamente, e aturar diariamente também.

Uma vez me chamaram para ir à igreja, 'ouvir o que Deus tem para mim'.

Eu não tenho nada contra, mas não preciso ir à igreja para ouvir o que Deus tem para mim.
Deus está comigo o tempo todo, vive em mim, fui feita à sua imagem e semelhança.
Eu não preciso de um fator externo para me comunicar a um fato interno.
Eu não preciso ir à igreja nenhuma para falar com Deus porque eu falo com Deus o tempo todo.

Quando acontece um crime e as pessoas querem linchar o criminoso, sempre tem alguém para citar os tais direitos humanos.
Ok, entendo, mas se alguém entrar na tua casa, roubar suas coisas, coisas que você pode ter levado a vida inteira para conseguir, você vai querer o quê? Falar para o criminoso que você entende a situação dele? Que tudo bem, você se matou para conseguir cada centavo, mas pode se matar mais para conseguir novamente, enquanto ele pode pegar à vontade?

Se alguém mata uma pessoa próxima a você, você vai falar o quê? Falar para o assassino que tudo bem?
Um humano perdeu o senso de humanidade a partir do momento que virou criminoso, então, os tais direitos humanos não servem para criminosos, e sim para humanos que muitas vezes trabalham sem direito algum, são escravizados e tratados como lixo.

Não venham com a balela de que ninguém tem o direito de tirar a vida de ninguém porque isso só serve quando visto pela televisão, porque se alguém matar seu pai, mãe, irmãos, filhos, amigos, qualquer pessoa que você conheça (ou não), o mínimo que você vai querer fazer é ter certeza que o assassino não oferece mais riscos à população, coisa que só cadeia não garante, convenhamos.

E eu é que não vou me lamentar porque o mundo perdeu um criminoso.
Falso moralismo nunca foi característica minha.
A quem discorda, respeito sua opinião, mas eu fico é muito feliz quando criminosos morrem, porque é um bandido/assassino a menos no mundo, um perigo a menos para as pessoas honestas e realmente humanas se preocuparem.

sábado, 20 de abril de 2013

Por enquanto...

Estava sozinha na floresta. Anoitecia. Os animais noturnos davam o sinal... estavam prestes a sair à caça de um jantar qualquer.
Não havia lugar para se esconder. Era melhor continuar andando.

Chegou até uma cachoeira... estava maravilhada com a visão da cachoeira, que parecia naturalmente iluminada, mesmo com a noite chegando.
Não estava muito calor, mas decidiu entrar na água. Era tão bonita que não conseguiu parar de andar em direção à queda d'água.

E sabe-se lá o que aconteceu. Só sabia que estava quase tocando a água e... depois... estava quase tocando a água. Mas era dia. O sol estava gigante, quente e lindo. Mas não era mais uma floresta à noite.

Estava no jardim de um castelo. A cachoeira era a mesma, mas não havia mais floresta nem anoitecer. Era uma tarde ensolarada na cachoeira do jardim do castelo.

Saiu da água, tinha molhado só os pés. Foi para o castelo. O café da manhã na mesa do jardim esperava por ela.
Sabia que não conhecia aquele lugar, mas tudo era estranhamente familiar. Sabia onde estava cada coisa, sabia o que devia fazer e sabia quando deveria fazer.
Aquele lugar era seu. Ela fazia parte daquilo. Pertencia àquele lugar.

6h... o despertador toca. Melhor levantar de uma vez, antes que os olhos se fechem de novo, e aí... nem com três despertadores gritando 'aqui tem um bando de louco'.
Mas sonhar ainda é para todos!
Sonhem sempre... e incandesçam!

sexta-feira, 19 de abril de 2013

Coisas que eu não faço...

- Não chamo namorado de vida porque minha vida é tão grande e abarca tantas coisas que seria injusto com minha própria vida resumi-la a um relacionamento, ainda mais com uma pessoa que certamente me conhece há muito menos tempo do que minha vida inteira.

- Não chamo namorado de bebê porque, me poupe, chamar um marmanjo de bebê é ridículo. Meu namorado não é meu bebê, convenhamos, desculpe o termo usado, mas a verdade é que ele é meu macho.

- Não faço voz de criança com namorado porque, me poupe, acho ridículo. Faço isso com bichos e com crianças pequenas, até uns dois anos, no máximo. Nem preciso repetir o que meu namorado é, mas criança ele não é.

- Se eu estiver comendo algo que só tem um pouco, nem ofereço. Se alguém me oferece algo que só tem um pouco, nem aceito.

- Se eu chegar em casa caindo de sono e não tiver que sair cedo no dia seguinte, não tomo banho mesmo. Quando eu estou com sono, não é nem que eu queira, eu PRECISO dormir imediatamente.

- Não prendo os bichos no quarto porque a visita não gosta ou tem medo. Se for assim, nem venha na minha casa, pois eu não prendo os, também, donos da casa por causa de ninguém.

- Não reclamo do que não tem para comer. Não reclamo quando não tem coisas para colocar no pão. Tem gente que nem pão tem, e eu poderia muito bem ser uma dessas pessoas.

- Eu não jogo lixo no chão porque isso é uma puta falta de respeito e de outras coisas mais. Quer jogar lixo no chão, vai fazer isso na sua casa.

- Eu não minto idade porque não tenho problema com isso e não entendo quem tem.

- Eu não minto sobre o número de pessoas com quem transei, não vejo problema nenhum nisso e nem trato o assunto como se fosse uma competição ou algo que mereça uma reunião. Se eu transei com um ou com 'nem um', isso não é nenhum problema. Tenho 32 anos e já sou bem grandinha para ser babaca.

- Eu não acho sexo conditio sine qua non. Posso viver muito bem sem ele e, não, não sou frígida nem tenho problemas com minha sexualidade.

- Eu não guardo fotos de ex-namorados. Acabou, acabou. Posso guardar as fotos que têm mais gente além do ex-namorado, mas as fotos típicas de casal vão todas para o lixo.

- Eu não invento nem aumento, nem diminuo o número de vezes que transo por semana, na verdade, eu nem conto quantas vezes eu transo por semana porque não vejo utilidade nisso e também nas provas que preciso fazer não cai essa pergunta. Na verdade, nunca pensei nisso, mas também não vejo por que começar a pensar agora.

- Eu não acho que 'tamanho' seja 'documento', traduzindo, eu não me importo com o tamanho do pinto do homem que estiver comigo nem acho que pinto grande seja importante, ao contrário, eu acho que machuca e incomoda.

- Eu não quero casar nem ter filhos porque eu não tenho esse desejo dentro de mim nem sinto que isso seja para mim.

- Eu não me caso por dinheiro, por interesse ou por qualquer outra coisa que não seja amor. Eu já não quero casar nem por amor, piorou por qualquer outro motivo que me exija um saco muito maior do que o que eu já não tenho.

Eu poderia citar mais coisas, mas essas são as que me lembrei agora.
Para quem faz tudo o que eu não faço, nenhum problema.
Cada um tem o direito de fazer ou não fazer o que quiser.
De forma que também tenho esse direito e sempre falo sobre coisas que gosto e faço, achei legal mostrar algumas das coisas que não faço e, muito provavelmente, continuarei não fazendo.
Incandesçam!

quinta-feira, 18 de abril de 2013

Eu li 'O Livro das Coisas Perdidas'... e amei!

O Livro das Coisas Perdidas (The Book of Lost Things)
John Connolly
Editora Bertrand Brasil

David tem 12 anos, acaba de perder a mãe e está totalmente desolado, bem como seu pai.
O pai de David acaba se casando novamente, o que faz com que David ganhe um irmãozinho... e também uma boa dose de ciúmes.

Alguns meses após a morte da mãe, David começa a ter crises estranhas, ele desmaia e ouve vozes em sua cabeça.
Mais tarde, além das vozes em sua cabeça, ele descobre que também ouve a conversa... dos livros.
Isso mesmo, David ouve os livros conversando entre si.

Todos se mudam para a casa de Rose, a madrasta de David, e o convívio entre eles não melhora nem um pouco.
Não bastasse o péssimo convívio com o pai, a madrasta e seu meio-irmão, David começa a ver um homem estranho, um homem torto rondando a casa, até mesmo dentro de seu quarto.

Além das vozes em sua cabeça e da conversa que ouve dos livros, um dia, David ouve a voz de sua mãe chamando.
Achando que isso é impossível, já que sua mãe está morta, David resolve seguir o chamado da mãe e segue a voz até o jardim da casa... onde acaba encontrando mais que um simples jardim.

David vai parar em um mundo estranho, que certamente não é o seu.
Um mundo onde coisas completamente inimagináveis acontecem, entre elas, lobos que querem se tornar humanos, sete anões que mais parecem sete malucos, Branca de Neve que não se parece em nada com aquela que conhecemos em outras histórias, entre muitas outras coisas bizarras que acontecem (ainda tem a caçadora insana, que eu deixo para vocês conhecerem no livro).

Como nem tudo é loucura, David também conhece boas pessoas, que o ajudam a chegar ao castelo do rei, que dizem ter um livro capaz de ajudar David, O Livro das Coisas Perdidas.

Minha opinião!
AMEI!
Um livro mágico, do tipo que eu gosto. Com uma história encantadora e cômica. Com histórias dentro dele que faz você pensar se, por acaso, o autor fumou uma maconha, mas que, ao mesmo tempo, faz você concluir que escreveria as mesmas histórias malucas se estivesse no lugar do escritor.
Além de tudo, o livro tem um final que eu realmente não esperava, com algumas passagens muito tristes, mas também muito reflexivas.
Termina de forma brilhante, sem o 'todos foram felizes para sempre' (coisa que eu adoro porque gosto mesmo é de histórias felizes), mas também sem tragédias que impeçam um final de ser feliz.

quarta-feira, 17 de abril de 2013

Desculpe, não tenho interesse!

Desculpe, não tenho interesse.
Não tenho interesse se uma fulana não consegue engravidar.
Não tenho interesse se uma fulana engravidou.

Gosto de algumas pessoas e fico feliz por elas, mas não tenho interesse na vida delas.

Não tenho interesse no café da manhã de ninguém nem no passeio do fim de semana.
Não tenho interesse na maquiagem nem na roupa que fulana de tal usou.
Não tenho interesse no carro nem na casa que fulano de tal ganhou.
Não tenho interesse em quem casou.
Não tenho interesse em quem se separou.

Guarde essas notícias para quem tem saco para elas.
Eu só tenho o saco de lixo.
Com licença, vou ali cuidar da minha vida e não volto.

"Meu universo são meus olhos e meus ouvidos. Qualquer coisa fora disso é boato."

terça-feira, 16 de abril de 2013

A vida segue... amigos também!

Conversando sobre amigos e amizades, surgem muitas coisas boas e não tão boas assim.
Aqueles amigos que são para sempre, que você pode passar anos sem ver, mas quando se veem é como se tivessem dito tchau no dia anterior.
Aqueles que viraram os novos amigos de infância e serão assim até morrer.
Aqueles que viraram os melhores amigos de infância e depois você só fala porque conhece.
Aqueles que você amou por um tempo e depois desamou.

Existem amigos que são para sempre e amigos que sempre são.
E isso não acaba com a graça de fazer amigos, novos ou velhos.
A vida muda, os amigos também.
A vida é uma constante mudança sempre. As pessoas com quem convivemos também mudam.

E não significa que você seja falso, superficial ou algo nesse sentido. Também não significa que a amizade foi uma farsa, a convivência foi uma mentira e tudo foi uma ilusão (nossa, que drama... mas tem gente que enxerga dessa forma mesmo, como se tudo fosse uma mentira e uma perda de tempo).

A vida segue seu curso e vamos aonde nossas vidas nos levam, bem como convivemos com as pessoas que nossas vidas nos trazem e paramos de conviver com as pessoas com quem perdemos afinidade ou contato, não importa o motivo.
Muitas vezes nem existem motivos, apenas não há mais afinidade.

E isso não é errado, é só a sequência dos acontecimentos.
É a vida que segue em frente. Tudo segue seu rumo. Nós também seguimos o nosso.
E somos felizes para sempre.

segunda-feira, 15 de abril de 2013

Animais sofrem pela falta de seus donos e podem morrer por isso!

Eu não quero julgar e minha intenção não é essa, eu juro, apenas estou dando minha opinião geral sobre uma situação que acontece, infelizmente, muitas vezes, tanto com pessoas quanto com animais.

Meu gato tem 11 anos (e mesmo que tivesse seis meses, como os que adotei há pouco tempo, minha opinião continua a mesma), eu namoro há cinco anos e meu namorado gosta de gatos, e, principalmente, ama o meu gato.
Gwidion com um ano. Eu nunca ensinei ele a dormir comigo. Ele descobriu que eu dormia na cama de cima e passou a fazer uma miadeira danada na cama de baixo, até que eu esticasse o braço, ele subia na minha mão e eu puxava o braço. E então ele se arrumava no meu pescoço ou no meu braço... e boa noite!
Se um dia a gente se separar e eu arrumar outro namorado, que não goste de gatos... o problema é dele!
Se eu engravidar desse namorado e for morar com ele, e descobrir depois que ele não gosta de animais... foi um erro meu e vou reparar este erro. Mas meus gatos não vão pagar por isso e não vão sofrer por isso. E cabe a mim impedir que isso aconteça.

Em primeiro lugar, eu não gosto de quem não gosta de animais, mas isso é uma coisa minha e quem não gosta tem o direito de não gostar. Respeito, mas também tenho o direito de não gostar de quem não gosta.

Em segundo lugar, o que me vem à cabeça é sempre a comparação com filhos porque animais são filhos! Parir ou não parir não tem a menor importância.
Você adota uma vida, cria, dá o que for necessário, leva ao médico, limpa cocô e xixi (como se faz com crianças), a vida dele depende de você. Se isso não é um filho, é o quê?
Repito o que já disse antes: Se eu adotar uma criança, ela não será minha filha tanto quanto uma parida por mim?
Gwidion, precisamos conversar.
Mãe, eu sei que sou adotado. Ao contrário de tanta gente ignorante por aí, eu acredito que mãe é quem cria, e não quem apenas coloca no mundo.
E mesmo para quem não acha isso, você acha certo se desfazer do seu animal porque o novo namorado/marido não aceita?
Se ele não aceita, ele não gosta tanto de você assim, não. Lamento informar, mas isso não é amor, isso é egoísmo e querer controlar a relação.

Controlar é uma coisa que não pode existir em um relacionamento. E eu não falo de controlar contas, gastos, chocolate, etc., eu falo sobre controlar a pessoa.

Os 'ortodoxos' que me desculpem (ou não, que se foda), mas se você tem filhos, se separa e se casa novamente, e seu marido atual não aceita os filhos do casamento anterior, você faz o quê?
Joga seus filhos fora? Manda para a casa da vó? Da tia? Manda para um colégio interno?
Eu entendo que eles não estejam abandonados ou passando fome, mas e a convivência?
Você acha que eles não sofrem e não vão sentir sua falta? Bem ou mal, você optou por se afastar deles. Isso é justo?

Uma coisa é não ter condições financeiras, estar passando por um aperto e não querer que eles passem por isso também, mas outra... outra coisa é você escolher se fastar deles (ou afastá-los de você) porque a outra pessoa não gosta.

Animais também têm depressão e podem morrer por causa disso, sério!
Eles não vão entender o motivo de serem excluídos da sua vida, eles não vão entender que você quer o melhor para eles (se for este o caso).
A única coisa que eles vão entender é que o(a) dono(a) simplesmente sumiu!

Eu não quero julgar ninguém, minha intenção realmente não é essa, mas se afastar (de qualquer forma) dos seus animais porque o(a) outro(a) não gosta, mostra duas coisas:

1 - Ele/ela não gosta de você, é uma pessoa egoísta e está querendo, sim, controlar sua vida.
2 - Você é uma pessoa submissa e facilmente influenciável, por melhor que seja seu coração, e isso pode causar sérios danos a você e sua vida, porque qualquer pessoa pode te prejudicar, e muito!

Como eu disse, eu tenho um gato de 11 anos, Gwidion.
Prontos para dormir. =]
Ele tinha uma irmã, Lilith, que se foi em 15/01/13.
A 'Pincesinha'. =]
Pensando no Gwidion, principalmente, mas em nós e nos tantos gatos abandonados também, em fevereiro deste ano, resolvemos adotar mais dois, Spock e Polyana.

E digo aqui, uma coisa que falo para o Gwidion todos os dias, desde que ele era um bebê:

Gwi, eu te amo mais do que tudo nesse mundo, você e sua irmã!






Apenas acrescento que:

Agora, além de amar você e sua irmã, eu também amo seus novos irmãozinhos.
O seu lugar e o da Lilith continuam os mesmos aqui em casa e nos nossos corações (porque respondo em nome de todos aqui), e vamos sempre cuidar bem de todos vocês.
 Vocês são parte da nossa família e estão protegidos, amados e bem-cuidados para sempre!
Não há ninguém no mundo (nem fora dele) que possa nos separar de vocês. Assumimos um compromisso sério (a adoção é uma coisa séria), e este compromisso será cumprido.
Se alguém não aceita vocês, este alguém também não nos aceita, e nós não queremos esse tipo de gente por perto. 
Vocês estão sempre em primeiro lugar!

sábado, 13 de abril de 2013

Objetivo zero!

O objetivo aqui é nenhum. 
A autoridade aqui sou eu.
Vivemo em uma democracia, na teoria.
Vivemos em uma decadência, na prática.
Cada pessoa é um mundo.
Cada cérebro funciona... ou não. Tente a sorte.
O mundo é este. 
É o que tem para hoje, mas não precisa ser o que terá para amanhã.
Mude seu cérebro, mude sua vida, mude seu mundo.

sexta-feira, 12 de abril de 2013

Resultado do Sorteio #JaneAusten

E aí, queridos?
Vamos ao resultado do sorteio?

Print do Random.Org.
Print do formulário.
Print dos seguidores.
Então, quem ganhou foi a Thais Assunção!
\o/ Parabéns! \o/
Thais, você deve entrar em contato comigo por aqui, twitter, e-mail, até por pensamento, mas deve entrar em contato até às 13h do dia 14/04/13. Se isso não acontecer, farei novo sorteio.
É isso, gente bonita. Ainda tem mais alguns sorteios aqui no blog, então, aproveitem!
Incandesçam!
=]

Atualizando!
Em 03/05/13, a Thais mandou a foto do livro recebido! =]
Valeu, Thais! \o/

quinta-feira, 11 de abril de 2013

Resultado do Sorteio 'Os Miseráveis' em quadrinhos!

Olá, gente boa!
Vamos direto ao ponto. =]

Print do Random.Org.
Print do formulário.

Print dos seguidores.

Logo, quem ganhou foi a Michela Delgado
\o/ Parabéns! \o/ 
Mandei recado via twitter e espero sua resposta até às 13h do dia 13/04/13. Pode ser aqui, via e-mail, twitter, o importante é que me responda até esse dia. Se isso não acontecer, farei novo sorteio.
É isso, gente bonita.
Incandesçam!
=]

Atualização!
Em 21/05/13, a Michela mandou as fotos do livro recebido.
Obrigada, Michela.

quarta-feira, 10 de abril de 2013

Gays: ame-os ou deixe-os... em paz!


Em primeiro lugar, eu acho que ninguém escolhe de quem gosta.
Se pudessem, jamais escolheriam gostar de alguém do mesmo sexo porque isso dá uma trabalheira desgraçada.
Ter que aguentar gente olhando torto, julgando, criticando, como se soubessem o que é melhor para você, o que é certo e errado, é uma coisa muito chata, muito triste e muito difícil de se aguentar, por isso eu duvido que alguém escolha passar por isso de livre e espontânea vontade.

É muito mais fácil ser hetero e poder passear com o(a) namorado(a) de mãos dadas, sem sofrer julgamento de gente que não te conhece e para quem você não deve nada (e ainda assim isso também acontece).

O que eu acho que Deus acha sobre isso?
Eu acho que Deus não acha nada!
Quem sente são os seres humanos. Seres humanos possuem emoção e podem sentir as coisas, ficarem tristes ou felizes.
Deus, por ser uma força maior, um ser superior, não é formado por emoção, é um ser superior, evoluído e maior do que todos nós. Se ele/ela tiver que se preocupar com algo, não vai se preocupar com os 'namoros' das pessoas, quando há tanta gente matando e morrendo por tanta coisa besta.
Não que haja motivos para matar e morrer, mas, certamente, há coisas muito maiores para se preocupar e que requerem uma imediata intervenção e preocupação divina.

Um gay pode ser curado?
Não há como curar um gay porque ele/ela não está doente.

Como ficará a cabeça das crianças?
Não achem que as crianças ficarão confusas por verem um casal formado por dois homens ou duas mulheres.
O máximo que elas farão é perguntar se fulanos(as) são só amigos ou se são um casal.
E se receberem a resposta de que fulanos(as) são um casal, elas entenderão perfeitamente.
Se elas forem muito pequenas para entenderem, não se preocupem, elas não serão crianças para sempre.
Elas vão crescer e vão entender naturalmente como as coisas são, como as pessoas são, como os sentimentos são, como o amor é, e elas vão entender que há coisas que não podemos escolher, e que nem por isso são certas ou erradas.

Crianças criadas em um ambiente sem preconceito e ignorância em relação a homossexuais vão entender naturalmente como a vida é, como as pessoas se relacionam e quando um casal é heterossexual ou não. E isso não vai mudar em nada na criação, no crescimento ou na formação de seu caráter.
Isso também não quer dizer que ela vá ser homossexual, embora isso não dependa dela.
Ela ainda terá a vantagem de ter menos um preconceito na sua vida e um assunto a mais resolvido na sua vida. Não terá a burrice nem a limitação de achar que pessoas que namoram com outras do mesmo sexo são anormais, erradas ou algo do tipo.
Ela vai raciocinar que fulanos(as) são homossexuais e falar "ah, tá, entendi", e só!
Como eu e tantas outras crianças fizeram.

E garanto que sou uma pessoa boa. Um pouco revoltada com algumas coisas, um pouco chata com outras, mas ainda uma pessoa de bom caráter, e sempre fazendo a minha parte para o bem do planeta.

terça-feira, 9 de abril de 2013

Por tudo!

Por ver,
Por ouvir,
Por tocar,
Por sentir,
Por estar,
Por falar,
Por ser,
Por viver,
Por mim,
Por você,

Obrigada!
Obs. Imagens retiradas da internet. A foto das flores eu peguei neste blog aqui, que ainda não vi tudo, mas que já me interessei bastante. Acho que o blog não é mais atualizado, pois a última postagem é de 2012, mas vale a pena dar uma olhada. =]
Incandesçam e Agradeçam!

sexta-feira, 5 de abril de 2013

Xingar a segunda-feira é para os fracos!

Desceu a rua até chegar naquela padaria linda da esquina. Algum desavisado (ou algum pão-duro mesmo) até poderia pensar que, por ser linda daquele jeito, era a padaria mais cara do país.
Que pensem. Sobra mais espaço.
A verdade é que era a melhor padaria do país, e os preços... os preços eram os melhores do mundo.

Toda sexta-feira estava lá, por volta das 9h. Isso, sim, era café da manhã de sexta-feira.
Um brinde ao fim de semana, bem-vindo, sábado.

Nunca estava sozinha. Era a reunião semanal do trabalho.
Toda sexta-feira tomavam café na padaria espetacular. Falavam sobre os pontos altos da semana, tudo que deu certo, tudo que precisava melhorar, tudo que gostaram e não gostaram.
E era sempre tudo de bom, como todos gostavam de falar.
Esperavam felizes da vida pela sexta-feira. Não porque não gostassem do trabalho ou da semana, mas porque viam como uma celebração.
A sexta-feira era uma reunião de celebração e agradecimento pela semana maravilhosa que tiveram e pela semana maravilhosa que viria a seguir.

Desculpa, mas tem gente que é feliz a semana inteira, e não só na sexta-feira.
Xingar a segunda-feira é para os fracos.

quarta-feira, 3 de abril de 2013

Faça alguma coisa... de útil.

Já acordaram com vontade de não falar com ninguém?
Raiva? Inveja? Dor de cotovelo? Por que ela e não eu? Tudo isso junto? A vida é assim.
Todo mundo levanta azedo uma vez ou outra.

Até eu (que ostento sempre a bandeira da positividade) tenho meus dias ruins.
Vamos fazer o quê? Xingar? Quebrar a casa? Talvez um saco de areia, desses de boxe, ajude um pouco.

Se lamentar no facebook? Péssimo!
Eu defendo o "se o perfil é meu, eu posto o que eu quiser", mas eu não faço isso no meu.
Dizer que está cagando enquanto tuíta é muito menos exposição do que falar que brigou com o namorado ou que está com problemas por causa disso e daquilo.

Sabe o que se pode fazer em casos como esses?
Lavar a louça!

Quanto mais chateada(o) se está, melhor se limpa a casa.
Assim fazemos alguma coisa útil... em vez de ficar reclamando para o mundo e declarando nossos problemas aos quatro ventos.

Pode até não resolver o problema, mas alguma coisa foi feita... e será uma coisa a menos para você fazer nas tarefas domésticas. É sempre bom saber disso. =]
Incandesçam!

segunda-feira, 1 de abril de 2013

Renascer...

Renascer é todos os dias, todas as horas.
Porque sempre é tempo de recomeçar, refazer e renascer.
Um dia triste deve acabar nele mesmo. E no outro dia, cabe a nós fazermos do nosso dia um sucesso.
Renascer para uma vida nova, um dia novo, e fazer com que este termine bem... para no outro dia recomeçarmos... novamente... mantendo a alegria nos corações e partindo em busca do nosso destino (acho que li isso em 'O Senhor dos Anéis' e amei), que certamente deve ser definido por nós mesmos, e não por circunstâncias ou pressentimentos, ou porque alguém falou que tem que ser assim.
Quem manda em mim sou eu!