Ovelhas Incandescentes

Ovelhas Incandescentes

Páginas

domingo, 12 de maio de 2013

Mãe, condição sem limites!

Eu sou mãe!

Eu adotei uma vida, cuidei, dei comida, limpei cocô (e fede igual ao de qualquer ser humano), brinquei, cansei, levei ao médico, passei noite sem dormir, fiquei preocupada, rezei, pedi a todos os santos, todos os deuses que curassem minha filha.
Eu dei remédio, eu fiz tudo o que precisava ser feito. Levantei de madrugada, morrendo de sono, para ver se estava bem.
Eu fui até a sala no meio da noite e trouxe para dormir no quarto, na sua caminha. Eu acordei tarde da noite só para ver se estava bem, para ver se tinha feito xixi na cama.
Eu fiz todo o processo de criação e educação cabível a essa vida.

Se isso não é ser mãe, é o quê?

Repito o que já disse antes: Se eu adotar uma criança, ela será menos minha filha do que uma parida por mim?

Mãe é quem cuida, quem cria, e não quem põe no mundo!
Animais são nossos filhos, sim. Nossos filhos, irmãos, primos e todos os parentes existentes em uma família.

Lamento por você que discorda, mas eu também sou mãe, você querendo ou não.

Eu adotei, cuidei, criei, eduquei e recebi todo o retorno de um filho. Eu tive todas as alegrias e todas as tristezas.
Meu filhos fizeram muitas coisas erradas, mas nada foi feito por crueldade, pirraça, birra, malcriação, nada disso.
Os erros cometidos por meus filhos não foram feitos por crueldade ou algo desse tipo, mas por inocência, instinto, brincadeira e ingenuidade.

Ao contrário do ser humano, que age errado por escolha própria, meus filhos (e todos os filhos como os meus) não agem e nunca agirão de forma cruel. Nunca escolherão o lado errado, nunca escolherão cometer um crime. Isso é coisa de ser humano e, lamento informar, coisas feitas pelos filhos que eu escolhi não ter.

Eu sei, nem todos os filhos humanos são assim. Felizmente, há humanidade na humanidade. Há pessoas por quem vale a pena viver e acreditar. Há filhos por quem vale a pena ser mãe. E eu conheço muitos.
Mas o que quero dizer aqui é que eu não tenho esses filhos, mas ainda assim sou mãe.
Sou mãe de bichos, com muito orgulho.

Se após tudo o que fiz (e faço), meu animal de estimação não é meu filho, então, ser humano nenhum no mundo pode ser um filho meu.

Lilith, minha primogênita, minha nega, minha filha. Eu fui a mais feliz do mundo por ter conhecido você e ter tido a honra de ser sua mãe. Eu te amo para sempre! A dor ainda é a mesma do dia em que você se foi... da primeira sexta-feira... do seu aniversário.
Eu só queria que você tivesse vivido mais, mas sou profundamente grata por ter tido você, minha nega, minha Lilith, minha filha. Eu te amo muito, muito.

Gwidion, meu amado, meu querido, meu filhote. Eu sei que você sente falta da sua irmãzinha e sei que às vezes você se irrita com os irmãozinhos, mas nós estamos sempre pensando no seu melhor. Eu te amo mais que tudo nesse mundo.

Spock e Polyana, nossos danadinhos. Mil vezes mais bagunceiros do que Lilith e Gwidion. Eu amo vocês e prometo que aqui vocês estão protegidos e felizes para sempre. Fico feliz que gostaram do irmão mais velho. Vocês chegaram para alegrar e iluminar nossas vidas.
Gwidion cuida direitinho. =]
É cada uma que eu tenho que aguentar, mãe.
Hei, não vem mamar em mim que sou muito macho!
Ah, a gente adora o nosso irmão mais velho!
Eles não saem do meu pé!
Peraí, deixa eu limpar essa menina direito.
Feliz dia das mães para todas as mães, pelo fato de serem mães, pela condição de mães, e não pelos filhos que têm.
Mãe de bicho também é mãe, e com muito orgulho de serem mães de filhos tão especiais.
Eu também sou mãe!

4 comentários:

  1. Ser mãe vai além do que podemos imaginar. Beijos

    ResponderExcluir
  2. Parabéns! Por ser mãe, pelos filhos fofos e pelo belo texto!

    Beijo.

    ResponderExcluir