Ovelhas Incandescentes

Ovelhas Incandescentes

Páginas

segunda-feira, 6 de maio de 2013

De escolas particulares e estaduais... e o que eu aprendi com elas!

Lembrei da escola.
Uma professora imbecil. Boa para explicar, péssima para falar com os alunos.
Nunca esqueço de quando ela berrou com um menino na sala de aula, falando que ele lia mal.
- "VAI TREINAR EM CASA, MENINO!"
Era terceira série. Eu estudava em uma escola particular.

Esse menino tinha problemas na fala, era superintrovertido, talvez, por isso mesmo.
Tudo bem, ele deveria treinar a leitura em casa, mas não precisava berrar em plena sala de aula cheia de crianças (isso quando ela não ficava falando das milhares de vezes em que a casa dela foi assaltada, o que os ladrões disseram, o que levaram, que mesmo doente ela ia para a escola, etc.).
Cortando só um minutinho, acho ridículo um professor criticar o aluno (ainda mais sendo criança) quando ele falta porque está doente. Se ele faltou por estar doente, no mínimo, foi com o consentimento/ordem dos pais.

Mas, voltando, ele não lia mal porque queria, vai ver ele já estudava em casa e entrou na escola justamente para melhorar. Talvez a mãe dele achou que o convívio na escola ajudaria. Talvez ela achou que uma escola particular seria melhor.
Ele era o melhor aluno da sala e sofria com provocações dos outros. Acabava fazendo os trabalhos sozinho.

Anos depois, ainda estudei com ele em duas escolas estaduais.
Ele continuava do mesmo jeitinho. Quieto, sem amigos, estudioso, mas até que estava melhor do que quando o conheci.
Alguns professores incentivavam a gente a chamá-lo para sentar no nosso grupo. Fazíamos o possível para que ele se sentisse à vontade. Isso já era na escola estadual.

Na segunda escola estadual em que estudamos juntos, ele já estava lá quando eu entrei. Não éramos da mesma sala, mas tínhamos os mesmos professores.
A professora de geografia era de dar medo em alguns alunos.
No meu primeiro dia de aula, ela brigou com um aluno. Não lembro o motivo, mas lembro que ele saiu da sala.
Assim que saímos da sala, duas novas amigas me perguntaram se eu me assustei.

Uma menina que tinha vindo da turma da noite, falou:
- A reputação dessa professora é péssima.

Um dia antes, eu falei com uma amiga que estudava à noite, e ela falou:
- A professora de geografia é fudida!

O que eu acho?
Eu acho que minha amiga tinha razão. A professora de geografia era e ainda é isso mesmo, só que no sentido positivo da palavra. =]
Superexigente, brava, comia o nosso couro quando a gente não fazia a lição, esquecia o livro ou coisas desse tipo, mas... ela era/é uma excelente professora. Tanto para explicar quanto para falar com os alunos.
Alguns alunos não gostavam dela, mas a maioria dos meus amiguinhos de sala (e das outras salas também) gostavam e gostam dela até hoje. E digo a maioria porque não mantive contato com todos.
A maioria dos amiguinhos da minha sala e das outras salas (e tenho certeza disso) sempre gostaram (e gostam) dela, mesmo ela sendo brava daquele jeito, porque, graças ao bom Deus(a), eu tive a benção de estudar com pessoas (ou, pelo menos, a maioria das pessoas com quem estudei era assim) que sabiam separar as coisas.
Todos nós estudamos na mesma escola estadual e todos nós soubemos reconhecer que aquela professora fudida e de péssima reputação era A PROFESSORA. Que brigava com a gente quando fazíamos cagada e que nos aplaudia quando fazíamos a coisa certa.

Quando um professor pega no seu pé, de duas, uma: Ou ele é um imbecil não muito bem-resolvido, ou ele está fazendo de propósito para fazer você andar.
Você aprende a reconhecer quando um professor é ruim porque ele é ruim mesmo ou se ele é ruim para o bem dos alunos. Para que os alunos não sejam ruins no futuro.

A pior professora que tive foi em uma escola particular.
Os melhores professores que tive foram em escolas estaduais.

Isso não é parâmetro para nada em particular, mas além das coisas que aprendi com as escolas em que estudei, aprendi também que nem tudo que se paga é melhor, nem tudo que é caro é melhor, bem como o contrário também pode acontecer.
Uma boa escola não é boa porque se paga, mas porque há bons professores aliados a bons alunos.

É claro que também estudei com gente que não vale um real pago na cantina, e isso não é culpa dos professores, mas também há várias coisas envolvidas nisso.
Não importa se a escola é particular, estadual, se você paga ou não. Tudo depende da seriedade com que se leva os estudos.
Eu também conheci excelentes alunos nas escolas estaduais em que estudei, alunos que estudaram com os mesmos professores dos alunos que não valem um real.
E apesar de ter tido professores ruins também (e isso até na faculdade), no final, o mérito em aprender e passar de ano foi todo meu. Porque coube a mim estudar e aprender com professores bons ou não, então, acredito realmente que o que classifica um ensino como bom ou ruim é o esforço dos alunos, e não o desempenho. Porque desempenho mostra o que você aprendeu e lembra na hora da prova, o esforço mostra o seu interesse em estudar e aprender, coisa que professor nenhum no mundo pode enfiar dentro da sua cabeça se você não estiver interessado.

Não dá para levar tudo a ferro e fogo, mas dá para aprender a parar de julgar (ou diminuir bem) as coisas e pessoas  pela aparência ou fama que têm.

A todos os meus professores de primário, ginásio, colegial (existe isso ainda?) e faculdade, até mesmo os que eu não gostei... MUITO OBRIGADA!

8 comentários:

  1. Eu também estudei em colégios particulares e estaduais e com relação a professores não vi diferença. Ambos tinham professores bons e ruins. Os que eram exigentes e os fdp. Quando estava no 2ª ano do ensino médio, a professora de matemática me perseguia e chegou ao pontos de convocar as minhas amigas/panelinha para pedir que se afastassem de mim porque eu era uma má influencia. Vê se pode! Eu realmente sempre tive problemas com essa matéria, não entendia nada, então voltava minha atenção para outra coisa. Mas hoje, mais madura, percebo que isso não foi atitude correta de um professor. Se eu tinha dificuldades na disciplina, era caso dela tentar chamar minha atenção, me fazer entender e cativar e não pedir para que minhas amigas me isolassem não é mesmo? Final das contas? Ela me reprovou na sua disciplina, mas graças a Deus não perdi o ano porque aqui no estado tem um plano que o aluno pode fazer o 3º ano e cursar a matéria que reprovou, no meu caso a matemática do 2º ano em outra escola e período. Anos depois descobri por amigos que ela fez a mesma coisa com outros alunos, inclusiva uma amiga. Ela teve a audácia de pedir para a irmã dela (as 2 estudavam juntas) para que não fizesse mais atividades com ela e não ficassem no mesmo grupo pq ela tb era uma má influencia! Vê se pode!! Falar isso para a própria irmã! Essa professora é loucona! Vejo essas novas leis para alunos respeitarem professor em sala de aula, mas ninguém lembra nessas horas que existem professores que não tem postura nem ética de professor e se aproveitam do cargo e da profissão para humilhar e perseguir pessoas. Acontece mt na faculdade tb.

    ResponderExcluir
  2. Adorei seu texto! Sou professora... será pq gostei, né?! ahahahaha Tento manter uma postura legal com meus alunos. Jamais humilhei ninguém! É ridículo alguém fazer isso. Acho q essa leva enorme de professores ruins existe por inúmeros motivos, mas um deles é algumas pessoas acharem q é fácil ser professor. Acharem q é um serviço leve e tranquilo. Doce engano... enfim... eu amo o q faço! Amo meus alunos! Claro q às vezes temos uns "ranca rabos" kkkkk. Espero um dia ser lembrada por alguém q tb fale: Nossa, aquela professora de química é fudida! No bom sentido é claro! aahahahaha
    Talvez o professor seja o ser mais amado e odiado do mundo!!! ahahahaha Mas, vamos levando... o mundo ainda precisa q muitos engenheiros, médicos, juízes, pilotos, escritores, etcccc, sejam formados!!!! =D

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Glenda do céu, parabéns, parabéns, mesmo! Eu não tenho condições de ser professora, sempre tive plena consciência q é uma das profissões mais difíceis. Uma das mais admiráveis, mas tb uma das mais difíceis. Bjs

      Excluir
  3. Você escreve muito bem,e acabou de me lembrar que ''Uma professora Fudida'' me passou lição pra amanha e eu não fiz!Obrigada e lá vou eu correndo pra fazer!

    ResponderExcluir
  4. Excelentíssimo texto. Lembrou-me de quando por necessidade tive que trocar a escola particular dos filhotes pela pública... e os comentários sobre a escola pública nos dias de hoje são tão ruins quanto na época em que eu estudei nelas! Mas me impressionei, porque graças a Deus, escolhi escolas com um corpo docente "ótimo", e pude perceber exatamente isso que disse... que o que se paga nem sempre é melhor... que o mais caro nem sempre é o melhor... E que existem professores "fudidos" em todos as escolas!!!kkkkkkkkkkk
    Mas se for no bom sentido, fazem toda a diferença! ;)
    Bjks!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Também saímos do colégio particular para o estadual por necessidade, Si. E tivemos ótimos professores. =] Bjs

      Excluir