Ovelhas Incandescentes

Ovelhas Incandescentes

Páginas

terça-feira, 28 de agosto de 2012

Eu li 'A culpa é das estrelas'!

"Só tem uma coisa pior nesse mundo que bater as botas aos dezesseis anos por causa de um câncer: ter um filho que bate as botas por causa de um câncer". (A culpa é das estrelas)


Escrito por John Green e publicado pela Intrínseca, "A culpa é das estrelas" (clique no nome do livro para garantir o seu) conta a história de Hazel Grace, uma garota de 17 anos, paciente terminal de câncer na tireoide.
Apesar do câncer, Hazel está bem, e em um dos encontros do grupo de apoio a crianças com câncer, Hazel conhece Augustus Waters, um sobrevivente de osteossarcoma.

Eles se tornam amigos, namorados, e enfrentam todas as barras que toda pessoa ligada ao câncer tem que enfrentar, sem escolhas.
Até aí você acha que o livro segue até a morte de Hazel, que já é uma paciente terminal, mas... nem tudo acontece como achamos ou queremos que aconteça. Nem nos livros.

Um comentário sem muita importância:
Eu acho que não entendi muito bem o final ou não era bem o que eu esperava... mesmo que eu não tenha o direito de esperar nada de um livro porque quem tem que esperar alguma coisa é o próprio escritor.
Mas, entendendo ou não, esse livro me pegou de uma forma que já ganhou a minha marca de dona (assinatura e data). Valeu muito a leitura!

Incandesçam!
=]

sábado, 25 de agosto de 2012

Em uma sexta-feira da vida...


Pequenos grandes motivos para ser feliz e agradecer!

1 - Ir para a cama quentinha em uma sexta-feira à noite de frio assistir Harry Potter e comer 'Happy Food'*.

* Happy Food, do dicionário de Regianices, é qualquer comidinha que você goste de comer. =]

2 - Ler (na mesma cama quentinha, na mesma sexta-feira de frio, comendo as mesmas 'Happy Foods').

3 - Fazer as duas coisas anteriores sem se preocupar com a hora de acordar no dia seguinte.

Podemos, sempre, arrumar um motivo para ser feliz, nem que para isso a gente tenha que inventá-lo. Invente os seus motivos para ser feliz... e seja!
Incandesça!
=]


segunda-feira, 20 de agosto de 2012

Uma mania que eu tenho...

Eu anoto:

- Tuitadas que eu dei e gostei mais.
- Passagens de livros que eu gostei.
- Postagens do blog (as crônicas, eu escrevo inteira e mais uma pequena apresentação do porquê escrevi; as demais postagens eu só faço um resumo do que eu escrevi na postagem).

Acho uma coisa meio feia esse negócio de falar 'Quotes' para citações. Citações são citações. Já não basta o estrangeirismo enfiado na nossa língua, ainda tem que colocar mais onde não precisa?

Não sei quando eu comecei com isso, mas sei que sempre gostei de cadernos e de escrever. Agendas e cadernos, blocos e afins.
Não sei se eu me dei conta de quantos cadernos parados eu tinha aqui em casa, não sei se me deu vontade mesmo, mas aconteceu que eu comecei a anotar. 
Tenho um caderno só para as tuitadas, um caderno só para as passagens de livros, um caderno só para as postagens do blog.
Fora os que eu tenho para escrever qualquer coisa a qualquer hora. Na hora que a inspiração vem. Pensamentos, de forma geral, que acabam ou não virando crônicas.

Algumas tuitadas:
  • Por que a tartaruga vive tanto? Porque ela cuida só da vida dela. #tomou?
  • Acho engraçado gente que acha que sabe muito. Tudo bem, você pode saber muito, mas quer saber? Ninguém quer saber o quanto você sabe. #GenteChataENãoSouEu
  • Eu entendo os egoístas. Toda vez que pensei mais nos outros, só me fodi.
  • Lamento por quem precisa tirar a roupa para chamar atenção. E lamento por quem só presta atenção porque tirou a roupa.
  • Não acredito nessa de que homens são assim e mulheres são assado. Cada um é de um jeito e pronto.
  • Não existe pessoa melhor ou pior. Existe aquele que a gente gosta e aquele que a gente não gosta.
  • Nesse mundo de Matrix, você tem que defender o seu jogo.
  • "Todo homem já mentiu para pegar mulher". Até concordo, mas acordem. Muitas vezes é a mulher que fingiu acreditar para fazer a coisa andar.
Coloquei aqui só algumas... tem um caderno inteiro. =]
E vocês? O que vocês registram e guardam?
Incandesçam!
=]

domingo, 12 de agosto de 2012

Eu assisti 'Identidade'

A identidade, a falta da identidade, a perda da identidade, a recuperação da identidade, a criação da identidade... eu sempre achei que nunca somos um só... e quem for um pouco mais inteligente ou esperto, ou evoluído, ou melhor, ou tudo junto, ou nada disso, nunca será um só para sempre... logo, não temos apenas uma identidade, mas isso é o que eu acho. E isso também é outra história.


Agora eu quero falar de um cara, um cara legal, um publicitário, no meio de uma campanha para sabão em pó e ele... ele tem um problema... uma perda, um surto, uma crise de amnésia e... quem é ele? Não sei, ele também não. Mas depois... bom, depois... depois a gente vê o que acontece.

O que pode acontecer, o que teria acontecido, o que aconteceu ou não.
Já pararam para pensar no que somos ou no que mostramos? No que deixamos aparecer?
Você é a mesma pessoa que você mostra no twitter? No facebook?
Você é a mesma pessoa que você mostra para as pessoas todos os dias?
Será que as pessoas veem você na vida real e você no mundo virtual como a mesma pessoa?
Não sei.

Mas eu sei que eu gostei de IDENTIDADE e recomendo assistir! Talvez eu volte no próximo fim de semana. =]

Em cartaz até 09 de Setembro!

IDENTIDADE - Um solo de Vinícius Piedade
Núcleo Bartolomeu de Depoimentos.
Rua Dr. Augusto de Miranda, nº 786 - Pompéia - São Paulo/SP
Sábado: 21h
Domingo: 20h

Inteira R$ 30,00
Meia R$ 15,00

Ingressos antecipados:
vinipiedade@uol.com.br / (11) 8117-7861

Mais informações:
www.viniciuspiedade.com.br

quinta-feira, 9 de agosto de 2012

Eu li 'Dizem por aí...'


Tilly tomou um pé do namorado. Um dia chegou em casa e metade das coisas estava faltando, ou seja, o namorado foi embora e levou as coisas dele.
Ela vai passar o fim de semana na casa da melhor amiga, Erin, e acaba aceitando um emprego de 'faz-tudo' para o solteiro, bonitão, decorador e gay Max Dineen. Tilly ajuda Max com sua empresa e também com sua filha, Louisa.

Até aí vai tudo bem, até que Tilly conhece o mais bonitão ainda Jack Lucas, amigo e colega de trabalho de Max. O problema é que Jack é um tesão irresistível, mas não tem uma boa reputação em meio ao público feminino, ou seja, ele é um galinha, sem interesse em um compromisso sério e já ficou com pelo menos metade da população feminina da cidade... é o que dizem por aí... mas, depois... você descobre que não é bem por aí. rs
Entram na história: Kaye, ex-mulher de Max (ué, mas ele não é gay? ah, mas até aí... rs), Sr. Lewis (um professor da escola de Louisa... e nem passou pela minha cabeça que aconteceria o que aconteceu rs), Fergus (namorado de Erin e ex-marido de uma maluca), Stella (a ex-mulher maluca) e toda a renca de ex-ficantes e aspirantes a ficantes de Jack.
Cada personagem com sua historinha particular e cada historinha com um final que eu, particularmente, não imaginava. E gostei muito! =]

Escrito por Jill Mansell, publicado pela Editora Novo Conceito, 'Dizem por aí...' (clique para comprar o livro) é um livro que eu chamo de 'comédia romântica', e que eu, particularmente, gostei e gosto bastante.

Observações não tão importantes, mas quero falar:
Os livros que eu gosto, ficam comigo. Lerei novamente em algum momento futuro. Os que não gostei, passo adiante.
Este não será passado adiante, ficará comigo. =]
Incandesçam!