Ovelhas Incandescentes

Ovelhas Incandescentes

Páginas

sábado, 31 de dezembro de 2011

Feliz ano-novo... de novo!


Final de ano é assim. Todos desejam feliz ano-novo, que esse ano seja isso, aquilo e aquilo outro, roupa branca, dourado, calcinha nova, uvas, ondas, sementes de romã, etc.
No final desse mesmo ano, a mesma galera que fez tudo isso aí em cima já está mandando o mesmo ano tomar no cu porque ele foi o pior.
Conclusão: Esse é o ser humano! Sempre reclamando de alguma coisa!
Da minha parte, não tentando ser Pollyanna (que eu adoro, mas esse não é o caso), foi o melhor dos últimos 30 anos.
Terminei coisas velhas e inúteis, comecei coisas novas, conheci pessoas novas, mantive velhos amigos, tomei certas atitudes, mudei certos hábitos e padrões. Mudei a minha vida!
Que eu me lembre, nunca gostei de mudanças. Elas sempre me assustaram. Mas hoje, nos 15 do segundo tempo, as coisas mudaram. A gente tem que mudar.
Mudanças são uma constante em nossa vida. E como disse o Paulo Coelho no Monte Cinco:
 
"Sempre é preciso saber quando acaba uma etapa da vida. Se você insistir em permanecer nela além do tempo necessário, perde a alegria e o sentido do resto. E se arrisca a ser sacudido por Deus".

Eu sei que mudar não é tarefa fácil... mas é necessário... e até divertido. Mude velhos padrões e crenças, aceite o novo em sua vida. Mude para melhor e o melhor acontecerá em sua vida. A gente nasce para evoluir.
Uma das coisas que não gosto nos fins de ano (e essas, acho que não mudam nunca) é que todo mundo que usa e-mail lembra que Carlos Drummond de Andrade e Mário Quintana existem. Parece até que eles nasceram especialmente para o fim do ano porque as caixas de entrada transbordam de textos dos dois.
Não precisam esperar o ano-velho novo, podem me mandar o ano todo.
E o ano-novo, cá pra nós, de novo não tem nada. Se ele fosse tão novo assim não voltaria todo final de ano.
Todo ano desejamos feliz ano-novo, então, ele não é novo coisa nenhuma. Na verdade, foi uma coisa que inventaram para dar uma esperança aos mais necessitados, aos que precisam de alguma coisa para acreditar em alguma outra coisa.
Olha, sinceramente, todos os dias são novos. Todos os dias são chances que você tem para realizar aquilo que não deu certo no dia anterior.
Mas se você precisa de novas esperanças, ok, vamos lá.

- Faça aquela faxina na casa, limpe tudo e troque as coisas de lugar (para renovar as energias do ambiente).
- Mande o velho embora e dê tudo aquilo que você não usa mais (ou jogue fora, se for o caso).
- Encha sua casa de cores, de flores e perfumes. Encha sua casa de música, risadas, alegrias e afins.
- Faça orações, decretos positivos e, principalmente, agradeça por tudo o que você tem e por todos que você tem.
- Pare de falar bobagens do tipo: "que pobreza", "eu sou isso", "eu sou aquilo". Quando você diz "eu sou", está fazendo um decreto universal, portanto, complete a frase com uma palavra boa. Pobreza... olha, gente pobre mesmo não tem casa, comida, roupa, não tem nada e nada é nada mesmo. Se você está lendo isso agora, você realmente não sabe o que é pobreza... e dê graças a Deus por isso também!
- Agradeça por ser perfeito! Você fala, ouve, enxerga, anda, sente, portanto, você é perfeito sim! Ok, ninguém gosta de ver o ponteiro da balança subir, ninguém gosta de ver aquele furo ou aquele risco na bunda, mas sabe... há coisas muito piores do que isso, acredite!
- Fale com as pessoas olhando nos olhos delas. Se for para dar bom dia, tarde, noite, responda olhando para as pessoas e, se puder, dê um sorriso.
- Elogie se for bonito, dê uma bronca se for errado (principalmente com crianças, é de pequeno que se aprende o que é certo e o que é errado).
- Se gostar, aceite. Se não gostar, recuse. Você não é obrigado(a) a engolir o que não gosta.
- Respeite os animais! Ninguém é obrigado a gostar de animais, mas todos têm o dever de respeitar.
- Arrume motivos para ficar feliz, alegria atrai alegria.
- Veja o lado bom das coisas, mas nunca ignore o que é ruim ou errado. É da omissão que nasce a injustiça e a maioria das coisas ruins que existem.
- Comece o dia fazendo o bem, você terminará colhendo o que plantou. Mas lembre-se que para colher é preciso plantar. Invariavelmente, nós sempre recebemos aquilo que damos. Então, o que você fizer, receberá de volta. Sendo assim, faça o bem e faça o que é certo!

E por último, faça tudo isso diariamente!
Feliz ano-novo... de novo!
"A compaixão pelos animais está intimamente ligada à bondade de caráter, e quem é cruel com os animais não pode ser um bom homem".
Arthur Schopenhauer 



sábado, 24 de dezembro de 2011

One more time...

Mais uma véspera de natal, mais um filme do ET (graças a Deus, esse filme não passa mais), mais uma reunião de família, listinha de compras, dividir os gastos com a família, limpar a casa, fazer comida, quebrar as taças, dormir, tomar café com a família, almoçar com a família, limpar a casa e mais algumas outras coisas que eu não lembro.
Lembro que teve um ano em que eu estava toda serelepe, pensando na roupa e esmalte que eu iria usar e... e eu tive uma puta cólica intestinal por volta das 23h. Eu me contorcia tanto, nem sabia em que lugar por a mão porque eu sentia dor em tudo quanto era lugar perto da barriga, do intestino e tomei sei lá quantas coisas eu tomei, mas nada resolvia. Só lembro que enquanto todos estavam lá na casa da minha tia, desejando feliz natal e quebrando as taças, eu estava me contorcendo na cama, chorando de dor.
Depois que passou um pouco, eu resolvi descer. As fotos ficaram ótimas. Eu estava linda naquela calça de moletom velha e blusinha desbotada, aquela mesma com que passei o dia todo ajudando na cozinha. Meu cabelo estava tão brilhante... dava para sentir o cheiro de fritura, aquela mesma que estava na mesa. Meu sorriso resplandecia... naquela cara de bolacha que eu estava de tanto chorar. O esmalte era lindo... aquele azul que eu pretendia passar se não estivesse ocupada demais com aquela cólica intestinal filha da puta.
E a vida é assim. Às vezes você vai, às vezes você volta.
Eu nem me lembro como eu estava no natal do ano passado, o que eu estava fazendo a essa hora, o que eu fiz antes ou depois. Mas isso não importa. O que importa é fazer o melhor que puder agora.
E que o melhor que eu puder agora seja bom!
Talvez eu não me lembre desse no próximo natal, mas isso não importa. Que seja bom!
Eu agradeço por aquele, pelo próximo e, principalmente, por esse agora!