Ovelhas Incandescentes

Ovelhas Incandescentes

Páginas

segunda-feira, 29 de novembro de 2010

Acreditem em mim: Nós podemos ajudar!

Hoje a coisa é séria, realista e um tanto quanto triste. Não que já não tenha escrito sobre coisas desse tipo antes, mas agora é mais sério.
Há alguns anos tomei conhecimento da ONG Vira-lata é 10! Como o nome já diz, é uma ONG que cuida de animais de rua, os famosos vira-latas. A partir de então, passei a dar o meu "dízimo", ajudando a ONG, entre outras organizações que cuidam de animais, como posso.
Mensalmente, recebo o informativo Cãociente, com as novidades, necessidades e situação da ONG.
Esse mês, as notícias foram um pouco mais ruins. Não que só haja coisas ruins, claro que não, mas para ONGs que vivem de doações e trabalhos voluntários, infelizmente, as notícias ruins são maiores que as boas notícias.


O que aconteceu é que uma dos cômodos do sítio foi destruído. Esse cômodo guardava rações, remédios, vacinas, vermífugos e era usado como uma ala médica para os animais que precisavam de mais cuidados médicos. Os animais estão bem e não houve nada de ruim com eles, graças a Deus(a), literalmente, pois esse cômodo fica bem ao lado do Gatil. Mas o pior de tudo isso, além da perda de material e mais gasto que virá por aí, é saber que isso deve ter sido causado por uma pessoa. Isso mesmo, um suposto ser humano.


No local não há sinais de problemas elétricos, algo que possa ter explodido, um curto circuito ou algo do tipo. A fiação é nova e o cômodo foi contruído há poucos meses. Na parte de fora, onde o chão é de terra, há pegadas que seguem para a mata que circunda o sítio, além do mato amassado que há nesse mesmo local.


Agora me falem, por que um dito ser humano, dotado de inteligência, raciocínio e aliás, é nisso que difere dos outros animais, se dá ao trabalho, falta do que fazer, burrice, falta de caráter e outras coisas baixas, de fazer uma coisa dessas? Eu sei que há muito mais podridão humana, além disso, há muito mais maus tratos a animais, às pessoas, às coisas, que o ser humano é capaz de fazer e fez, mas vou manter o foco neste caso em particular.
Além da luta diária que uma ONG tem para cuidar de seus abrigados (pois vivem de doações e voluntários), a ONG Vira-lata é 10! ganhou mais uma tristeza, um prejuízo e claro, divídas a mais.


É por isso que venho aqui hoje, pedir a ajuda de vocês, da forma que puderem. A ONG aceita materiais de limpeza, remédios, jornais, cobertores e o que puder ser utilizado. Caso possa ou prefira ajudar com dinheiro, qualquer quantia ajuda, qualquer quantia, mesmo.

 Banco Itaú
Ag. 0300 C/C: 02395-9

Banco Bradesco
Ag. 1361 C/C 14376-6

Além disso, você também pode ajudar pedindo a nota fiscal paulista e dando o cnpj da ONG Vira-lata é 10!  Para compras de qualquer valor, qualquer valor, mesmo, peça a nota fiscal paulista e dê o cnpj da Vira-lata é 10! O CNPJ é 05.551.027/0001-96.


Uma pequena ajuda sua pode fazer muita diferença para os nossos irmãos de quatro patas. Uma pequena ajuda pode não parecer grande coisa para você, mas para os animais significa muito.
Somando pequenas ajudas chegamos a um final muito maior do que esperávamos. E esse final depende da nossa união para ser feliz. Nós podemos fazer um final feliz, podemos fazer a diferença no mundo, podemos ser úteis, podemos fazer coisas maravilhosas. É só começar, acreditar e trabalhar nisso. Insistir em um final feliz.
O mar só é grande porque passou por muitas pequenas e solitárias gotas de água. O dinheiro que forma bilhões de reais só existem porque muitos solitários reais, moedinhas e aqueles centavos únicos que você nem ligava, se juntaram para formá-lo. Portanto, não se iluda com as aparências. Qualquer ajuda, por menor que pareça, somadas a outras, sempre formará uma grande e inabalável força, que poderá sustentar e fortalecer qualquer coisa, inclusive você.

segunda-feira, 22 de novembro de 2010

Trouxa ou malresolvido.

O passado não se manca.
Inevitável parar as lembranças, nem se for para xingar.
Você vê uma coisa que te lembra outra e sem querer fala: "besta".
Para a situação atual? Não, é que aquilo te lembrou outra coisa e o "besta" foi para essa outra coisa.
Não dá nem para filtrar as lembranças. Dá para você parar de pensar naquilo que acabou de pensar porque lembrou disso. Mas aí, você já pensou, uma vez pelo menos, quando lembrou. Aí já era, já está pensado.
Só dá para xingar mais uma vez e esquecer que você lembrou disso.
Linha de pensamento passado me irrita. Retrô é uma coisa que pode ficar bem em certas roupas, mas não em comportamento, ou não em todos os comportamentos.

O que eu quero dizer com tudo isso, afinal?
Quero dizer que as pessoas que acham chato encontrar um "ex-qualquer coisa", quando se está ou tem um "atual qualquer coisa", das duas, uma:

- Você é trouxa ou é malresolvido!

sexta-feira, 12 de novembro de 2010

Dona "de" casa, dona "da" casa.

Se preocupar com o fato de não saber cozinhar... não sabia cozinhar, mas não via problema nisso.
Não morreria de fome, mas a comida que fazia não era uma delícia.
Não que não pudesse comer, mas se fosse escolher... preferia fazer um lanche.
Não via graça nenhuma em cozinhar. Também não achava a pior coisa do mundo, mas não era a sua cara falar: "Oba, vamos cozinhar, que delícia", como quem fala: "Oba, vamos à sorveteria, que delícia".
Entendia que poderia ser legal para algumas pessoas e até conhecia várias pessoas que adoravam cozinhar... mas continuaria legal para essas "algumas e várias" pessoas.
Se existia comidas prontas e pessoas cujo trabalho é cozinhar para outras pessoas, isso deveria ser utilizado.
Afinal, o que seria das empresas de comidas congeladas? Dos funcionários dessas empresas? E dos cozinheiros? Fazer uso dessas ferramentas era gerar empregos e pessoas felizes com suas profissões. Fazer a economia prosperar.

Era nisso que pensava, enquanto fazia as compras. Estava até rindo sozinha por esse debate de uma pessoa só, promovido na própria cabeça.
Continuou sorrindo ao sair do mercado, ao entrar no carro e falar "vamos" ao motorista, ao entrar no prédio em que morava, enquanto o elevador subia, ao abrir a porta de casa e ao dar o alegre e sorridente "cheguei" à sua "equipe", como gostava de chamar as pessoas que trabalhavam em sua casa, fazendo os serviços de casa que ela não podia, não sabia e não gostava de fazer.

Não eram meras cozinheiras, faxineiras, lavadeiras, motoristas e outros -eiras ou -istas equivalentes. Se uma empresa tem uma equipe de funcionários que presta serviço à empresa, uma casa também tem uma equipe de funcionários que presta serviço à casa, portanto, eles eram parte de sua equipe. E uma ótima equipe.

Deu um beijo em cada uma das duas mulheres que se encontravam na cozinha, ocupadas com o jantar, e foi direto para o banheiro, tomar um relaxante banho (mas não de banheira, que hoje não era o dia).
O cheiro bom de comida corria pela casa. E ela ria e agradecia por não ser a responsável pelas atividades da casa, e pela excelente equipe de funcionários que tinha para cuidar da casa.
Ria e agradecia, enquanto sua única responsabilidade naquele momento, era tomar um agradável e perfumado banho. O jantar já estava quase pronto. Não tinha que se preocupar com isso, nem com demais atividades ditas domésticas.
Não era, nem queria ser uma boa dona de casa. Mas era, certamente, uma excelente dona "da" casa!

quinta-feira, 4 de novembro de 2010

Viva-se!

Eu estou certa, você errado. Pode ser que sim, pode ser que não.
E quando você tem tanta certeza de que está certa(o), que tudo o que for de resto, tudo o que não for você, parece ridículo. E você quer mandar o mundo calar a boca porque o mundo inteiro está errado. Você está certa(o).
E enquanto as pessoas correm para pagar suas contas, você corre para ficar longe delas. Das contas? Não, essas você paga e pronto. Elas não incomodam ninguém. Preocupam um pouco, é certo, mas depois que você pagou, nem lembra mais delas, até o próximo mês. Mas isso dá uns dias de folga sem preocupações.
Você corre para ficar longe das pessoas, essas sim, essas incomodam.

Opinião é um traço de personalidade. Você gosta de uma coisa e para você, aquilo é bom. Mas do outro lado da rua, tem alguém que você não conhece, mas que acha um lixo, aquilo que você acha tão bom.
Sinto o cheiro do bife que estão fritando na cozinha. Não é um cheiro ruim, mas não classificaria como bom.
Fritar bife é uma coisa que detesto, porque suja muito o fogão. É possível que eu não coma bife só para não ter que limpar o fogão. Já a minha irmã, diz que a vontade dela de comer bife é sempre maior do que a preguiça de limpar o fogão.

Eu gosto de refrigerante sem gás. Lembro que eu gostava dos restos de refrigerante, mas não sabia que era porque não tinham mais gás. Uma amiga da minha irmã me ensinou a bater o refrigerante com um garfo, para tirar o gás. E depois, bem depois, comendo yakissoba e com preguiça de levantar para pegar um garfo, resolvi improvisar com o hashi de madeira que veio junto com o yakissoba. Uma única batida no fundo do copo e o refrigerante transbordou e caiu no meu macarrão. Não ficou muito bom, mas foi a melhor descoberta para quem não gosta do gás do refrigerante. E então, passei a guardar os hashis. Tem que ser de madeira, aqueles com acabamento esmaltado não funcionam muito bem. Vai ver é porque eles não foram feitos para isso.
Mas os meus amigos diziam que a coca-cola era capaz de me processar por estragar a trabalheira que eles tiveram em descobrir a dosagem certa do gás que vai no refrigerante.
E não sei porque me mandam tomar xarope, como se xarope tivesse o gosto igual e ainda gelado. Eu já tomei xarope e posso dizer com certeza que não tem o mesmo gosto de refrigerante sem gás.

Gosto mais da massa do pastel do que do recheio. Uma vez, minha irmã fez pastel e fritou toda a borda da massa, que sobrou e que em outra casa, seria jogada fora. Comi feliz da vida!

Aprendi a gostar de pão de queijo e estrogonofe. Não gostava de nada salgado que tivesse creme de leite. Pão de queijo tinha cheiro de azedo. Sei lá quando aprendi a gostar.

As pessoas mudam. Algumas não, é verdade. O que é bom ou não, dependendo de que lado da mudança você está. Mas estamos sempre certos. Quando erramos, quando acertamos. Isso também é bom ou não, dependendo de que lado da sua sanidade você está.
O mundo é grande, temos muitos amigos, fazemos amigos sem sair de casa. Mas na verdade, é cada um para si e Deus... Deus não entra na jogada.
Resolva seus problemas, cuide de seu jardim, faça suas mudanças. Pare de jogar tudo nas costas de Deus(a).
Jogue um pouco de gratidão nas costas de Deus(a), também, só para variar um pouco. Ele(a) agradece.
Pare de jogar a culpa nos outros. A vida é sua, se "Viva"!