Ovelhas Incandescentes

Ovelhas Incandescentes

Páginas

quinta-feira, 21 de outubro de 2010

Nem aí, nem aqui e nem em lugar algum.

Tem gente que adora falar sobre os problemas, as doenças, as tragédias.
Se algo está bom é irreal.
Se algo está ruim é normal.

As pessoas são infelizes por  natureza, gostam de uma depressão e gostam do "dark side".
Tem gente que merece o "Horário de Pico" e até se perdem sem ele. Não sabem o que fazer sem o mal humor das seis horas da tarde, as buzinas descontroladas e o calor humano da multidão apressada e sem tempo no entra e sai de um metrô qualquer.

Se alguém fala uma coisa boa é porque sonha demais.
Se alguém fala uma coisa ruim é porque é pessimista.
Mas todo mundo quer ser bem tratado, estar rodeado de pessoas legais e educadas (e que, de preferência, te deem a preferência), receber a maior fatia do bolo. Mas ninguém quer se esforçar para isso.
Todo mundo quer ser como é e se orgulham disso. Os outros que mudem se quiserem, eu não mudarei meu jeito.

Tem gente que adora reclamar e falar mal dos outros. Gostam de mostrar como são bons, inteligentes e sábios. E o resto é o resto, são meros expectadores.
Não pense que você é a última bolacha do pacote porque elas também quebram e amolecem (o legal mesmo é ser a bolacha do meio).
Defender suas ideias não significa atacar outras.
Você tem todo o direito de gostar ou não gostar das coisas, mas antes você tem o dever de respeitar e a obrigação de entender que os outros tem o mesmo direito que você de, também, gostar ou não das coisas.

Quem se acha muito bom e cheio de razão só fica com um pacote vazio.
E no final, a tal da lei da atração está certa.
Gente que se acha superior aos outros, estão sempre rodeados de pessoas que também se acham ou querem ser e, principalmente, querem que os outros achem.
Quem é, de verdade, não está nem aí para o que possam pensar dela, porque a própria opinião já basta.
Se concorda, que bom.
Se discorda, não precisa atacar ninguém.
Você pode e deve dar suas opiniões, mas não tem o direito de impor aos outros e exigir que pensem como você.
Os outros podem ser daquele seleto grupo de pessoas que não estão nem aí. E enquanto você está empenhado em mostrar sua superioridade e sua razão, eles não estão nem aí para você. Nem aí, nem aqui e nem em lugar algum. Lamento, mas eles nem lembram que você existe.

4 comentários:

  1. Ótima reflexão!!! Adorei, parabéns! ^^
    Mesmo porque, fogueira de vaidade leva até onde? É exatamente isso que vc disse.
    Basta ser simples. Mas será q dói ser simples e viver 1 dia de cada vez? Tem gente q se acomodou a achar que a vida é 1 campo de batalha. Que horror, q pensamento! Achar q tudo e todos são concorrentes... E q o mundo é uma conspiração.. Na verdade é aquilo q eu disse, penso, as pessoas devem mesmo ser paranóicas... Já dizia Freud hahaha! (pelo menos nisso esse daí acertou.. rs)
    No fim das contas, o q adianta atuar em um palco onde não tem platéia????
    Pq as pessoas não desencanam????
    Pq não aprendem o sentido exato da palavra liberdade?
    Muito perfeito seu post, adorei! =)

    ResponderExcluir
  2. Eu li essa postagem e pensei em um ditado que eu acho bem interessante...
    "Há quem passe pelo bosque
    e só veja lenha para a fogueira."
    Infelizmente a maioria das pessoas é assim Amiga; imediatista e egoísta.

    =)

    ResponderExcluir
  3. Adorei, como sempre. Eu costumo dizer que eu adoro gnt que se acha porque ai eu não preciso procurar.

    ResponderExcluir
  4. Poderia começar esse comentário elogiosamente, com a palavra MARAVILHOSO!!!, mas só isso não é suficiente para avaliar com a adequação requerida por um texto que questiona sem rodeios, sem preciosismos, que põe a nu os modos como nos relacionamos, como interpretamos o mundo. Mostra, sem papas na língua, que os valores são decorrentes de julgamentos, certamente ninguém é "bonito" ou "feio" em si. Aliás, padrões, como o de beleza, é determinado culturalmente. Queria destacar sua posição em relação aos clássicos da Literatura. Eu sou formado em Letras e só fui ler Dom Casmurro na faculdade. Lembro-me de que li para fazer um trabalho, na verdade, era uma análise comparativa: tive de estudar o adultério relativamente ao Primo Basilio e a Madame Bovary.Concordo com você no tocante a gostar ou não de clássicos.

    Parabéns!
    Adorei!
    Beijos!

    ResponderExcluir